terça-feira, 2 de abril de 2013

SAÚDE, GAMBOA E SANTO CRISTO: AS RUÍNAS DO PORTO MARAVILHA...


Largo São Francisco da Prainha, n° 7

Apesar das obras do Porto Maravilha e da introdução de diversos aparelhos culturais oficiais darem uma repaginada no entorno da região portuária do Rio de Janeiro, os bairros da Saúde, da Gamboa e do Santo Cristo, situados nas imediações da Central do Brasil, apresentam uma penca de ruas com depósitos e galpões deteriorados, fachadas de antigas construções prestes a desabar e terrenos baldios esquecidos, que põem em risco a saúde e a vida de moradores e transeuntes.

 rua Sacadura Cabral, n° 167


Demos uma saçaricada no perímetro que compreende as ruas Sacadura Cabral, Camerino, do Livramento, Barão de São Félix, Senador Pompeu, Visconde da Gávea e Costa Ferreira, para averiguar a situação. Constatamos que em vários endereços o problema do abandono é crônico. No terreno situado entre os números 71 e 81 da rua do Livramento, por exemplo, o mato alto denuncia o longo período de descaso das autoridades. Apesar da placa da prefeitura, o local serve de depósito de lixo e chamariz para animais, sobretudo roedores, o que expõe a vizinhança aos perigos da dengue e de outras doenças graves. Com o vento e a chuva, o problema torna-se ainda mais severo, contribuindo para o entupimento dos bueiros e o alagamento das ruas da região.

 rua do Livramento, n° 65


Há anos, a prefeitura do Rio de Janeiro vem mapeando a rede subterrânea da Light, as áreas de risco e os pontos críticos de alagamento em toda a cidade, mas insiste em negligenciar as ruínas e o lixo do centro, bairro que agrega significativo contingente populacional, não podendo ser desprezado. 

 rua do Livramento, entre os n° 71 e 81


A região visitada é uma imensa lata de lixo. Sempre foi. A sujeira, o mal cheiro e o aspecto sombrio, parecem terem saído de um filme de terror; não é raro dar de cara com ratos na rua, à luz do dia, e até com porcos passeando sem o menor constrangimento, o que contrasta com a imagem futura da região portuária. O curioso é que não muito distante dali está sendo erguido o teleférico do Morro da Providência, que fará a conexão entre o morro, a Central do Brasil e a Cidade do Samba.

rua do Livramento, n° 94


Ou seja: decadência histórica, modernidade homeopática...

 rua Costa Ferreira, n° 86

2 comentários:

  1. A QUESTAO DAS RUINAS DA REGIAO PORTUARIA.
    (Bairros da Saude, Gamboa e Santo Cristo).
    Durante 50 anos estes bairros foram degradando-se, esvaziando-se socio-economicamente e o resultado final destes agravantes sao visiveis. Porem se faz necessario algumas explicacoes tecnicas e juridicas...PRIMEIRO A prefeitura do Rio, pode citar e intimar os proprietarios destes imoveis em estado de abandono e ruinas, e existe um tramite juridico que deve ser cumprido para demolicao, remocao de entulhos e desapropriacao para fins sociais...ISTO LEVA MUITO TEMPO, MUITO DINHEIRO, E AINDA EXISTEM OS RECURSOS DA LEI A FAVOR DOS HERDEIROS LEGAIS...E a velha e destrutiva burocracia...! SEGUNDO: Estes predios, casas e sobrados muitas vezes estao em letigio com varias entidades: Governo Federal, Estadual e ate mesmo em inventarios de mais de 30 anos...UM VERDADEIRO INFENO JURIDICO, QUE QUANDO ABERTO SOLTA SEUS DEMONIOS LEGAIS E ILEGAIS SOLTANDO O FOGO DA JUSTICA POR TODOS OS LADO...! TERCEIRO: O CIDADAO PAGA DIRETA E INDIRETAMENTE O RISCO E AS BUROCRACIAS DESTES ENTREVES LEGAIS...!

    ResponderExcluir
  2. Testemunhamos isso em relação ao Largo do Boticário, no bairro Cosme Velho. Enquanto não se chega a um acordo pelas vias judiciais, o espaço público segue adiantado processo de deterioração.

    ResponderExcluir